Nos barrancos do rio Acre eu sentei e sorri ( 05/10/2014)

As plaquetas estão em 29 (muito baixo). A ferritina em 2.000! (Elevadíssima). Estou em Rio Branco, após a 7a. Injeção Interferon.  Não sei porque estou aqui. O remédio é o mesmo em Manaus.  Às vezes me sinto uma espécie de Naamã.  Acaso nao existe rio no Amazonas?

Mas o velho rio Acre insiste em me cumprimentar carinhosamente.  - Quanto tempo? Estava com saudades… Nao resisti e fui – lhe apertar as mãos.  Amigo, desculpe a insensibilidade… – Sei que não podes ajudar – me… mas estou agonizando. Muito mal mesmo. Nao fui eu quem falou tal frase. -Pareço a “geni” (lembrem do  poeta  Chico Buarque), tudo jogam em meu leito. Sinto-me um lixo. Acho que tenho todas as hepatites, malária… tifóide… Que é isso rapaz…? – E você, tão pálido… Nunca foi o menino do rio, mas com certeza agora é o velho do rio… Bom encontro. Nao deu para nos abraçarmos porque nao me senti à vontade, mas prometi-lhe um encontro mais aconchegante preferenciamente bem mais acima daquele ponto. Tambem exortei-lhe  nao guardar mágoa e seguir em frente levando vida até que entendam e o tratem melhor. Não reclama… tenho seguido meu curso também sem murmurar.  Porque sei que meu Redentor vive!

Hoje será dia de eleição inclusive para presidente da República. Temos uma candidata a predidente que é chamada de seringueira.  Morou  nos mesmos ambientes que meus irmãos  mais velhos moraram por algum tempo (seringal Bagaço)  Joel Silva, meu irmao velho, lembra bem. Aliás, Joel foi vereador por 3 legislaturas e vice prefeito de  Manaus. Hoje eu o vejo sem conquistas patrimoniais.  Nada. Pense em alguém de quem me orgulho. Muito orgulho. Penso que  os “geraldinos” seringueiros terão vocação especial à generosidade. 

Desculpem a caligrafia, mas foi feito ao vivo em um celular “Peba” nas escadas da “gamileira”. Sei que ninguém vai ler isso e será bem possível que Dilma ou Aécio já estejam eleitos. O que muda pra muitos? Nada!Mas gostaria que mudasse pro país.  Aliás, vai um conselho pra quem se  eleger. Quando alguem vier cochichar ali pelo palácio: – Olha, excelência, corre um boato sobre um mensalão, um escândalo cabeludo numa estatal. – mas, olhe isso há de ficar só entre nós… Igual à piada do “pum”. A autoridade haverá de berrar: Eu quero mais é que se espalhe… Ha de haver um botão ligado com a Polícia Federal, Ministério Público, Procuradoria Geral da República.  Ao contrário do “the voice” o botao será apertado quando não se gostar da fala, informação.  Ah, a luz acenderá imediatamente pra sociedade.

Otan

Leave a Reply